A maldição dos 27

>> Artigo originalmente publicado em 25/07/11 no site Vilhena Notícias. Clique aqui para ver.

Caída em seu apartamento, a cantora Amy Winehouse, provavelmente vitimada por uma overdose, entra para um clube de grandes músicos que também morreram aos 27 anos: Kurt Cobain, Janis Joplin, Jimi Hendrix, entre outros (veja a lista no final do artigo). Qual a relação entre dependência química e música? Porque artistas têm um histórico tão manchado de envolvimento com vícios? Quais as circunstâncias da morte de Amy? São algumas das perguntas que tentarei responder neste artigo.

O conhecido bordão “Sexo, drogas e rock n’ roll” traduz um espírito de rebeldia presente em muitos dos maiores astros da música (estrangeira e nacional). Até mesmo Elvis Presley, com seu estilo charmoso e boa pinta, tornou-se um dependente de “remédios para dormir” e “remédios para acordar”. Um caso clássico é o de Kurt Cobain: afundou-se nas drogas a ponto de entrar em depressão profunda. Disse ele, em seu diário: “”Como você já deve ter percebido nos últimos tempos, eu tenho usado muitas drogas ultimamente e já é tempo da clínica Betty Ford ou a biblioteca Richard Nixon me salvar do abuso de meu anêmico e raquítico corpo”.

Alguns músicos até mesmo defendem o uso de drogas, como é o caso de muitos cantores de reggae, boa parte envolvidos com a religião rastafari. Pregam que o uso da maconha é defendido pela bíblia e que deve ser usada como meio de purificação. É um símbolo de que música e a dependência química caminham juntas, embora as drogas estejam por todos os lados e não possamos taxar todos os músicos de “viciados”.

Mas o que poderia levar tantos artistas ao terreno pantanoso dos entorpecentes? Certa vez o ex-jogador de futebol e comentarista Casagrande comentou em uma roda de entrevista que pessoas acostumadas com shows gigantescos, partidas de futebol em estádios imensos ou agitação constante e badalação, buscam essa adrenalina em outros lugares quando estão sozinhos, fora do alcance dos holofotes. Nesta linha de raciocínio, as drogas servem como uma espécie de compensação estimulante nos momentos de vazio daqueles que já estavam viciados anteriormente, em adrenalina.

É neste contexto conturbado que encontramos a morte da jazzista, cantora e compositora Amy Winehouse. Seu apartamentoem Camden Square, Londres, foi o último palco no qual a superstar abusou de bebida e drogas (ela já vinha sendo vaiada em shows devido à sua performance nada sóbria).

Alvo constante dos tabloides ingleses por sua rotina de abuso de drogas, brigas e escândalos conjugais com o ex-marido, Blake Fielder-Civil, também viciado em drogas, Amy foi presa duas vezes em 2008. Inclusive, um de seus principais hits, “Rehab”, de seu último disco, falava sobre suas constantes idas às clínicas de reabilitação.

Embora tenha nascido em família judia, sua infância foi marcada não pelos ensinamentos da bíblia, mas pelos constantes conflitos familiares, principalmente os que envolviam as agressões de seu pai contra sua mãe. Influenciada pelo jazz desde pequena, foi comparada a Sarah Vaughan em seu disco de estreia, “Frank” (2003), gravado quando tinha 16 anos. O segundo disco, “Back to Black” (2007) foi seu estouro: cinco prêmios Grammy. Um estilo extravagante e polêmico aliado com vendas de muitos discos em turnês pelo mundo inteiro identificaram a cantora.

A morte, embora prematura, não foi motivo de surpresa para muitos. No entanto, o potencial não explorado de Amy, ceifado por seu falecimento, é uma das maiores perdas da música recente.

LISTA NEGRA

Confira a lista de artistas que encerrou a carreira e a vida aos 27 anos de idade (boa parte devido a drogas e bebida):

JIMI HENDRIX – O legendário guitarrista perdeu a vida asfixiado pelo próprio vômito em um quarto de hotel, na Inglaterra, no dia 18 de setembro de 1970. Na ocasião, Hendrix consumia bebidas e drogas sem a menor moderação.

KURT COBAIN -Foi encontrado sem vida no dia 8 de abril de 1994. As investigações policiais afirmam que o ex-líder do Nirvana cometeu suicídio três dias antes nas dependências de sua casa, em Seattle, mas uma boa parte de seus fãs acreditam que ele foi assassinado.

JANIS JOPLIN – No dia 4 de outubro também de 1970, o mundo perdeu outro grande talento da música. A cantora Janis Joplin teve uma overdose de heroína e veio a falecer na cidade de Los Angeles, na Califórnia.

JIM MORRISON – No dia 3 de julho de 1971, Jim Morrison morreu na banheira de seu apartamento,em Paris. O relatório oficial diz que um ataque cardíaco tirou a vida do ex-vocalista do The Doors. Apesar disso, 40 anos após a sua morte ainda circulam teorias de overdose e assassinato.

Muitos outros faleceram com 27: Richey Street (22/12/1967 – 14/2/1995), Robert Johnson (8/5/1911 – 16/8/1938), Alan “Blind Owl” Wilson (4/7/1943 – 3/9/1970), Kristen Pfaff (26/5/1967 – 16/6/1994), Gary Thain (15/5/1948-8/12/1975), Ron “Pigpen” Mckernan (8/9/1945-8/3/1973), Pete Ham (27/4/1947-24/4/1975), Chris Bell (12/1/1951-27/12/1978), Pete de Freitas (2/8/1961-14/6/1989), entre outros.

Por Herbert Weil

Jornalista, membro da Academia Vilhenense de Letras e editor do jornal Long Play 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s